Carlos Villagrán, o Kiko, prepara livro eletrônico




    Ter à frente Carlos Villagrán é lembrar de um personagem que, ainda hoje, segue ganhando fãs, mas sobretudo gargalhadas ao vê-lo nos capítulos de Chaves.

    Aos seus 70 anos, o ator recebeu Publimetro em sua casa e falou sobre o novo livro eletrônico que publicará pela internet, suas piadas com jogadores como Neymar, Maradona e Messi, assim como sua relação de “amor e ódio” com Roberto Gómez Bolaños.

    “O melhor é estar agradecido com a vida. Através do tempo, o ser humano tem que inventar palavras como indescritível. Tenho 45 anos de carreira, com o Chaves se completará 43. São quatro gerações que vi passar, a quem sigo fazendo rir com algo que Deus me deu, como são as bochechas infladas”, disse o ator em sua casa em Guadalajara, onde vive há seis anos.

    Aos seus 70 anos, o ator prepara um livro eletrônico cheio de piadas e histórias, nas quais se sobressaem algumas com jogadores de futebol.

    “Com o tempo recebi cartas de jogadores, minha paixão é o futebol, e tive a oportunidade de conhecer Neymar, que é fanático pelo Kiko, depois me mandou uma foto de Messi, que celebrou o recorde de gols no Barcelona, fizeram uma festa e ele se disfarçou de Kiko, para mim foi uma honra. Em outra ocasião, Diego Armando Maradona me convidou à sua casa em seu aniversário, e deixou dito que quando chegasse o Kiko, que o avisassem por rádio. Quando cheguei, lhe disseram: ‘Diego, chegou o monstro’. Saiu, me carregou e levou até a sala e me disse: ‘esta é sua casa’.

    Ao lhe perguntar se guarda rancor de Roberto Gómez Bolaños, respondeu: “Não, imagine, tantos anos, para que serve o rancor, machuca a pessoa. Me perguntam porque não falo com Chespirito, e lhes respondo que porque ele não retorna minhas chamadas. Fui à homenagem que lhe fizeram na Televisa em 2000, com meus filhos, mas me esconderam em um escritório e me passaram ao palco assim que terminou a homenagem. Na segunda homenagem, não fui porque não me convidaram, nem tiveram a decência de querer-me lá, e tenho dignidade. Eu disse que não a Emilio Azcárraga por amor próprio, há coisas que não se fazem. 

Momentos de sua vida:

Brasil
    “Fui embaixador de Porto Alegre em 2013. Os maiores fanáticos estão no Brasil, em relação ao Kiko, e este ano há muitas chances de voltar para o Mundial”.

Saúde
    “Me mataram três vezes, fui a dois velórios meus, pelo menos tomei café grátis (risos). Me mataram no terremoto de 1985, e outra quando disse ‘cale-se, cale-se, que me deixa louco’, e dizem que me arrebentou uma veia, a verdade é que estou muito bem aos 70 anos.

Veto
    “Emilio Azcárraga me chamou quando me tiraram do Chaves, me ofereceu um programa, mas supervisionado por Chespirito, e lhe disse: ‘há diferenças entre ele e eu, não sabem m… suas diferenças’, assim que respondi que não ficaria. Me vetaram por 20 anos, já passou, mas agora eu que veto [a Televisa]“.

Livro digital
    Villagrán contará suas histórias através de sua página http://www.carloskikovillagran.com
O ator contará histórias, piadas e situações muito dramáticas, compartilhando suas vivências por toda a América, país por país, além de coisas por trás das gravações, que não foram vistas na televisão. O livro será lançado em maio.


Via: Publimetro/Fórum Chaves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Multishow pretende trazer o elenco de Chaves para a estreia do seriado no canal em maio

Tudo sobre a estreia de Chaves e Chapolin no Multishow